Propagação vegetativa de Brunfelsia uniflora (Pohl.) D. Don. (Manacá).

Michelle Melissa Althaus-Ottmann, Luciana Leal, Katia Christina Zuffellato-Ribas

Abstract


O manacá (Brunfelsia uniflora (Pohl.) D. Don. – Solanaceae) é um arbusto nativo do Brasil, de grande potencial ornamental. Apesar disso, há poucas informações bibliográficas a respeito de sua propagação. Neste trabalho, foi estudada a propagação vegetativa da espécie pelos processos de estaquia caulinar e alporquia. Para a estaquia, foi analisada a indução do enraizamento de estacas semilenhosas pela aplicação de ácido indol butírico (AIB) em talco (controle, 1000 mg kg-1, 2000 mg kg-1 e 4000 mg kg-1) e em solução (controle, 1.000 mg L-1, 2.000 mg L-1 e 4000 mg L-1). Para a alporquia, foi analisada a indução do enraizamento de alporques pela aplicação de AIB em pasta de lanolina (controle, 1.500 mg kg-1 e 3.000 mg kg-1). O experimento de estaquia foi avaliado após 60 e 120 dias da instalação, considerando-se as variáveis: porcentagem de estacas enraizadas, número de raízes formadas/estaca, comprimento das três maiores raízes formadas/estaca, porcentagem de estacas vivas não enraizadas, de estacas com calos e de estacas mortas. O experimento de alporquia foi avaliado após 60 dias, considerando-se as variáveis: porcentagem de alporques enraizados; número de raízes formadas/ alporque; comprimento das três maiores raízes formadas/alporque, porcentagem de alporques com calos, de alporques vivos não enraizados e de alporques mortos. No experimento de estaquia, na primeira avaliação, não houve diferença significativa para a variável porcentagem de estacas enraizadas, sendo a maior porcentagem de 10,0% (controle em solução). Na segunda avaliação, observou-se um aumento na porcentagem de enraizamento (41,94%) para o mesmo tratamento. No experimento de alporquia, não foi verificada diferença significativa entre os tratamentos para nenhuma variável testada, sendo a maior porcentagem de alporques enraizados de 5,60% (3.000 mg kg-1). O enraizamento de Brunfelsia uniflora, tanto na estaquia como na alporquia, foi baixo, sendo a aplicação de ácido indol butírico desnecessária, uma vez que não aumentou a indução de raízes e calos.



DOI: https://doi.org/10.14295/rbho.v12i1.4

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema