Influência da Adubação no Crescimento mudas de pau-brasil (,aesalpinia echinata Lam.)

Francismar E A. Aguiar, Marcos M. Pinto, João del Gludice Neto, Cláudio Barbedo

Abstract


Foram conduzidos dois experimentos, um em casa de vegetação e outro no campo, para avaliar os efeitos de diferentes formas de adubação para o crescimento de mudas de pau-brasil. No primeiro experimento, em casa de vegetação, as mudas foram transplantadas aos 18 meses de idade para sacos plásticos com capacidade para 7,5 1, nos quais foram testadas, em confronto com a testemunha, cinco combinações de adubação: 1) terra de mata (testemunha); 2) terra de mata + 30 9 de uréia; 3) terra de mata + 30 g de superfosfato simples; 4) terra de mata + 30 g de cloreto de potássio; 5) terra de mata + 30 g da fórmula 10:10:10 e 6) terra de mata + 30 g de calcário dolomítico. No segundo experimento, conduzido no campo, as mudas foram transplantadas para o local definitivo obedecendo a um fatorial 2', constituído pela combinação da existência ou ausência de adubação com N, P e K, nas dosagens de, respectivamente, 117 g de uréia, 333 g de superfosfato simples e 50 g de cloreto de potássio por planta, totalizando 8 tratamentos. As adubações nitrogenada e potássica foram repetidas, para este experimento, após um ano e um ano e meio. No primeiro experimento, a adubação nitrogenada promoveu maior altura das plantas em relação à aplicação de fósforo, quando as mudas apresentavam 48 meses de idade. No segundo experimento, mudas que não receberam adubação nitrogenada apresentaram altura inferior a 1,0 m e diâmetro do caule inferior a 1,8 cm, enquanto as adubadas com nitrogênio apresentaram altura superior a 1,2 m, chegando a 1,5 m, e diâmetro superior a 2 cm. As demais combinações de adubação não corresponderam a aumentos em crescimento das mudas.



DOI: https://doi.org/10.14295/rbho.v3i2.27

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema