Análise proteômica comparativa durante a maturação de culturas embriogênicas de Araucaria angustifolia

Julia Bolanho da Rosa Andrade, Leonardo Lucas Carnevalli Dias, Tiago Santana Balbuena, Claudete Santa-Catarina, Eny Iochevet Segal Floh, Vanildo Silveira

Abstract


A evolução morfogenética dos embriões, durante a embriogênese em plantas, é acompanhada por uma intensa síntese de proteínas LEAs (proteínas da embriogênese tardia) e proteínas de reserva que possuem papel fundamental durante a fase de maturação. O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do ABA e dos agentes osmóticos, polietilenoglicol (PEG) e maltose, na expressão diferencial de proteínas durante a maturação de culturas embriogênicas de A. angustifolia. Culturas embriogênicas de A. angustifolia foram submetidas a cinco tratamentos de maturação: 1) Controle, meio de cultura BM; 2) ABA, meio BM suplementado com ABA (200 µM); 3) PEG, meio BM suplementado com PEG (9%); 4) Maltose, meio BM suplementado com maltose (9%) e; 5) APM, meio BM suplementado com ABA (200 µM), PEG (9%) e maltose (9%). Após 60 dias de cultivo as proteínas totais foram extraídas com tampão uréia:tiouréia (7M:2M), seguido de precipitação em 10% ácido tricloroacético (TCA)/acetona. Alíquotas de 120 µg de proteínas foram isofocalizadas em tiras de gel IPG (gradiente imobilizado de pH) de 11 cm e faixa de pH 4-7, sendo posteriormente submetidas à separação eletroforética em gel de poliacrilamida SDSPAGE 12%. As proteínas foram visualizadas pela coloração com prata e os géis analisados através do programa Image Master 2-D Platinum®. O tratamento PEG resultou na expressão de maior número de proteínas (420 polipeptídeos), enquanto a adição de ABA apresentou 164 polipeptídeos. Os demais tratamentos: Controle, Maltose e APM apresentaram, respectivamente, 347, 322 e 273 polipeptídeos. Todos os tratamentos apresentaram predominância de proteínas com peso molecular entre 30 kDa e 60 kDa. O tratamento suplementado com Maltose apresentou maior porcentagem de polipeptídeos de alto peso molecular (31,4%) quando comparado com os demais tratamentos. A identificação das proteínas expressas diferencialmente pode contribuir para a compreensão do desenvolvimento embrionário, além de auxiliar na otimização dos protocolos de maturação das culturas embriogênicas em A. angustifolia. (FAPESP, CNPq)

Keywords


Araucaria angustifolia, proteômica, eletroforese bidimensional, embriogênese somática, ácido abscísico.



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1873

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema