Efeito de luz e imersão em água na germinação de sementes de perpétua produzidas no Estado de São Paulo.

Antonio Sena Filho, Bento Manoel Ferreira, Victor Julio Flórez-Roncancio, Maria Esmeralda Soares Payão Demattê

Abstract


Realizaram-se dois experimentos com sementes de perpétua (Gomphrena globosa L.) produzidas em Jaboticabal (SP). No primeiro, em temperaturas alternadas de 20-30oC, comparou-se apenas o efeito de 16 horas de luz por dia ou de escuro contínuo, para sementes das variedades de inflorescências brancas e purpúreas, logo após sua coleta. Para as duas variedades, verificou-se maior porcentagem de germinação com luz. Nos testes efetuados sem tratamento pré-germinativo e com luz, as médias das porcentagens de germinação variaram entre 64,5 e 81,0%. Desenvolveu-se o segundo experimento com sementes da variedade de inflorescências brancas, armazenadas durante seis mese em câmara seca. Em temperaturas alternadas de 20-30oC, a germinação foi mais lenta em escuro contínuo do que em 16 horas de luz por dia; a imersão prévia das sementes em água durante 24 horas foi prejudicial tanto à porcentagem como à velocidade de germinação.



DOI: https://doi.org/10.14295/rbho.v9i2.180

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema