Avaliação do uso de ácido salicílico em sementes de calêndula (Calendula officinalis L.) sob diferentes estresses.

Patricia Reiners Carvalho, Barbosa Machado Neto Nelson

Abstract


A calêndula (Calendula officinalis L.) é uma importante planta medicinal e ornamental, e também é usada na culinária, na fabricação de cosméticos e de fitofármacos. As plantas sofrem agressões por agentes bióticos e abióticos e apesar de não apresentarem defesas através de movimentos ágeis, podem ocorrer adaptações e profundas alterações no metabolismo da célula vegetal, entre elas a síntese de proteínas de defesas ativada através de mecanismos complexos. A aplicação exógena ou o estímulo à síntese endógena de ácidos orgânicos como o ácido salicílico pode agir como indutor de proteínas de tolerância aos diferentes estresses, bem como para elevar a atividade de enzimas de desintoxicação celular, especialmente às envolvidas na degradação de radicais ativos oxigenados. O objetivo deste trabalho foi estudar o efeito do ácido salicílico (AS) sobre a germinação e o vigor de sementes de calêndula (Calendula officinalis L.) em condições ideais e sob estresse térmico e hídrico. As sementes foram colocadas para germinar em papel embebido em soluções crescentes de ácido salicílico (zero, 0,0125, 0,025, 0,05, 0,1 e 0,2mM); medindo-se as variáveis: porcentagem de germinação (G); índice de velocidade de germinação (IVG) e primeira contagem da germinação (PC). Ficou constatado através do teste de Tukey que apenas a (G) foi significativa, sendo que as melhores dosagens detectadas para o percentual de sementes germinadas ficou entre 0,025 e 0,05mM de ácido salicílico. Três outros experimentos foram feitos, um com água acidulada aos pH respectivos às concentrações de ácido salicílico (6,0; 4,8; 4,2; 3,6 e 3,2), um com diferentes potenciais hídricos induzidos por manitol (0; -0,3; -0,6; -0,9 e -1,2MPa), e outro com temperaturas (20, 25, 30 e 35ºC). Não houve efeito dos tratamentos ácidos sobre a germinação e o IVG de calêndula. A concentração de 0,025mM de AS apresentou-se como superior tanto para G  como para IVG de sementes de calêndula sob efeito de estresse hídrico. O uso, ou não, de AS não foi eficiente para aliviar o estresse térmico.

Keywords


resistência sistêmica adquirida; estresse hídrico; germinação, IVG.



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1744

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema