Potencial da Pitaya-Do-Cerrado como planta ornamental

Keize Pereira Junqueira, Nilton Tadeu Vilela Junqueira, Fábio Gelape Faleiro, Marcelo Fideles Braga, Sueli Matiko Sano, Graciele Bellon, Kênia Gracielle Fonseca, Cristiane Andréa Lima

Abstract


Pertencentes à família das cactáceas, as pitayas vêm se destacando no mercado de frutas exóticas. Há várias espécies denominadas “pitayas”, dentre as quais podem ser citadas Hylocereus undatus, H. costaricensis, Selenicereus megalanthus e S. setaceus. Esta última é denominada pitaya-do-cerrado, mas há também outras espécies de ocorrência em áreas de Cerrado, incluindo algumas do gênero Hylocereus e outras ainda não identificadas.
As pitayas do Cerrado vegetam naturalmente sobre maciços rochosos de arenito ou quartzito, troncos de árvores e em solos arenosos de campos rupestres dos Cerrados de Minas Gerais, Bahia, Goiás, Distrito Federal e Tocantins. Há relatos de sua ocorrência também em áreas de restinga na Bahia e Rio de Janeiro (Junqueira et al., 2002).
Há fortes evidências de que a região central do Brasil seja o maior centro de dispersão das pitayas, tendo em vista a grande diversidade fenotípica (Junqueira et al., 2002) e genotípica (Junqueira et al., 2007) observada em acessos coletados em Goiás, Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso e Tocantins.
O objetivo do presente trabalho foi caracterizar a pitaya-do-cerrado (Selenicereus setaceus), considerando seu potencial como planta ornamental.


Keywords


Selenicereus setaceus, Hylocereus undatus, cactácea, paisagismo.



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1726

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema