Germinação in vitro de quina (Strychnos pseudoquina A. St. Hil.), Loganiceae.

Jaqueline Martins Vasconcelos, Flávia Guimarães Silva Leite, Thálita Vaz Cardoso, Sebastião Carvalho Vasconcelos Filho, Fabiano Guimarães Silva, Juliana de Fátima Sales

Abstract


Strychnos pseudoquina, popularmente conhecida por quina-de-cerrado, atinge em média 4 metros de altura e pode ser encontrada no cerrado brasileiro. Possui folhas opostas, simples, pecioladas, ápice agudo a obtuso ou ligeiramente acuminado. A floração ocorre de janeiro a abril, e suas flores são pequenas, seu fruto possui baga com cerca de 2 cm, amarela; pericarpo coriáceo; possui de 1 a 4 sementes. O tronco possui casca espessa e rimosa e possui finalidade medicinal (Almeida et al, 1998).
O uso de fitoterápicos no mundo é cada vez maior e o Brasil possui um extensa flora utilizada na medicina. A quina já foi uma das plantas mais utilizadas no país por ser considerada tônica e febrífuga de alto valor, útil no combate as inflamações dos gânglios mesentérios e as moléstias do fígado, baço e estômago (Almeida et al, 1998).
Reconhecendo a importância regional para a população da região do cerrado da referida espécie na medicina popular e alimentação, torna se necessário o estabelecimento de técnicas que tornem viáveis a multiplicação em larga escala desta espécie.
Este trabalho teve como objetivo estudar a germinação das sementes de quina em diferentes concentrações de meio de cultura e luz (claro e escuro), visando o estabelecimento in vitro desta espécie para futuros trabalhos sobre a multiplicação em larga escala.


Keywords


Strychnos pseudoquina, quina do cerrado, germinação, in vitro



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1665

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema