Efeito da luz, vedação e carvão ativado na micropropagação de cagaita.

Katryne R. G. Fernandes, Francimar Alves Ximenes, Aurélio Rubio Neto, Márcio Alexandre Rodrigues, Fabiano Guimarães Silva, João Das Graças Santana

Abstract


A cagaita [Eugenia dysenterica (Mart. ex DC)] é uma espécie do cerrado da família Myrtaceae. De porte arbóreo, com altura variando de 6 a 8 m de altura e 6 a 8 m de diâmetro de copa, produz de 500 a 2000 frutos por planta, que apresentam de 1 a 3 sementes (Silva et al., 2001). 
A espécie é melífera, possui aplicação ornamental e fornece cortiça e madeira para a construção civil. O fruto pode ser consumido in natura ou empregado na fabricação de sucos, licores, geléias, doces e sorvetes. A ingestão exagerada dos frutos pode ter efeito laxante, enquanto a “garrafada” das folhas tem ação antidiarréica e é usada também contra problemas cardíacos (Silva et al., 2001; Almeida et al., 1998).
A produção de mudas em larga escala via métodos convencionais de clones selecionados é um grande entrave na implantação de pomares ou fornecimento para programas de reflorestamento. Neste sentido, a micropropagação é uma alternativa eficiente na produção de mudas. 
O tipo de vedação afeta a tanto a composição gasosa como o ambiente luminoso nos recipientes, influenciando portanto a ocorrência de hiperidricidade e o crescimento das plantas (Kozai et al, 1997). Na cultura de tecidos, gases como oxigênio, gás carbônico, etileno, aldeído e outros voláteis eventualmente acumulam-se nos frascos e consequentemente promovem alterações no desenvolvimento dos tecidos. O etileno pode acelerar os processos de senescência, abscisão foliar e amadurecimento. Já o dióxido de carbono em altas concentrações conduz à anaerobiose, fermentação e produção de álcoois (CARVALHO & VIDAL, 2005).
Outro fator que pode comprometer o crescimento e desenvolvimento in vitro é a produção e acúmulo de compostos fenólicos e outros metabólitos no meio de cultura, fato que justifica o emprego de antioxidantes e agentes adsorvedores. A suplementação do meio com carvão ativado pode ser benéfica ou adversa, dependendo de fatores como meio de cultura, tecido usado e os objetivos do pesquisador. Os efeitos deste composto englobam proteção de substâncias presentes no meio contra luz, adsorção de substâncias inibitórias e reguladores de crescimento; e liberação de compostos pelo próprio carvão ativado (PAN & STADEN, 1998). 
As condições luminosas também possuem extrema importância no crescimento e desenvolvimento dos explantes. KOZAI et al (1997) ressaltam que a luz é um dos principais fatores do ambiente de cultivo.
Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da luz, tipo de vedação e utilização de carvão ativado em meio de cultura no crescimento de segmentos nodais de cagaita durante o processo de micropropagação.

Keywords


Eugenia dysenterica, Myrtaceae, segmentos nodais, vedação, carvão ativado.



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1664

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema