Enraizamento in vitro de brotações oriundas de plântulas de erva-mate (Ilex paraguariensis).

Micheli Angélica Horbach, Dilson Antônio Bisognin, André Luís Lopes da Silva, Michele Heberle, Tiago Fick

Abstract


A erva-mate (Ilex paraguariensis St. Hil.) é uma espécie que apresenta dormência embrionária e tegumentar das sementes, tendo que passar por um período de estratificação para germinar. O cultivo de embriões surge como uma técnica capaz de acelerar o processo de germinação das sementes e também para obter um número maior de plantas pela multiplicação e posterior enraizamento in vitro. O objetivo deste trabalho foi testar diferentes concentrações de AIB e ANA e a presença de carvão ativado no enraizamento de brotações de erva-mate originadas de embriões cultivados in vitro. Para este experimento foram utilizadas brotações com aproximadamente 0,8 a 1cm de comprimento, provenientes do cultivo de embriões in vitro em meio com ¼ da concentração do MS (Murashige & Skoog, 1962). Foram utilizados frascos com 30 ml de meio de cultura ¼ MS suplementado com 3% de sacarose e 0,65% de ágar. Após a inoculação, os frascos com os explantes foram transferidos para sala de crescimento com 16 horas de fotoperíodo e temperatura de 25º ± 2º C. Os tratamentos constituíram-se de quatro concentração de ANA (0; 0,1; 0,2 e 1mg L-1), quatro de AIB  (0; 0,1; 0,2 e 1mg L-1) e sem ou com a adição 1,5% de carvão ativado ao meio de cultura, totalizando 14 tratamentos. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições de um frasco com quatro explantes. Aos 45 dias de cultivo foi avaliado a percentagem de enraizamento, o número de raízes por explante, o comprimento da maior raiz, o numero de brotos, o comprimento dos brotos, o número de folhas e a formação de calo na base dos explantes. A maior percentagem de enraizamento (75%) foi obtida quando se adicionou ao meio AIB nas concentrações de 1,0 mg L-1 ou 0,2 mg L-1, sem a adição de carvão ativado. Já o tratamento sem regulador de crescimento e sem carvão ativado e o tratamento com 0,1 mg L-1 de AIB obtiveram médias de 50 % de enraizamento, enquanto que nos tratamentos com carvão ativado a formação de raízes ocorreu somente com 1mg L-1 de ANA, em apenas 25% dos explantes. A maior formação de calo na base dos explantes ocorreu com a adição de 1mg L-1 de ANA e sem carvão ativado. Tratamentos sem a adição de reguladores de crescimento não apresentaram calos. O tratamento sem carvão ativado e com 1mg L-1 de AIB, obteve a maior média de raízes, com 7,7 raízes/explante e comprimento médio da maior raiz de 0,65 cm. Quanto ao número de brotos, a média obtida para todos os tratamentos foi de 1,2 brotos/explante, com comprimento de 0,41 cm e 3,9 folhas/explante. Conclui-se que a adição de 1mg L-1 de AIB ao meio de cultura ¼ MS suplementado com 3% de sacarose e 0,65% de ágar promove o melhor enraizamento e raízes mais compridas de erva-mate; entretanto outros estudos devem ser conduzidos com concentrações mais elevadas de reguladores de crescimento.

Keywords


Propagação in vitro; cultivo in vitro; carvão ativado; AIB; ANA.



DOI: https://doi.org/10.14295/oh.v13i0.1628

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema