Caracterização física e conservação pós-colheita de alpínia.

Gláucia Moraes Dias-Tagliacozzo, Marco A. Zullo, Carlos Eduardo Ferreira de Castro

Abstract


O mercado de flores tropicais está em franca expansão. Nele é crescente a comercialização de alpínias como flores de corte. Considerando-se que, no Brasil, os estudos sobre pós-colheita de flores tropicais são escassos, o objetivo deste trabalho foi desenvolver métodos de manuseio e conservação de inflorescências de alpínia (Alpinia purpurata Vieill. Schum.) por longos períodos, uma vez que essa espécie tropical começa a ser introduzidas no mercado sem nenhum conhecimento prévio de pós-colheita. Na caracterização física foram utilizadas cem hastes florais de alpínia e os resultados obtidos foram utilizados na padronização da espécie e avaliação da qualidade da flor .Após a caracterização física, foram feitos testes com soluções conservantes atóxicas contendo sacarose (0,1, 2 e 4 %) e ácido cítrico (200 ppm). Visando-se aumentar a durabilidade comercial desta espécie associaram-se à melhor solução de sacarose dois hormônios vegetais: brassinoesteróide e citocinina. Analisando-se todos os resultados, concluiu-se que a solução conservante mais indicada para alpínia é de 1% de sacarose e 200 ppm de ácido cítrico pelo período de 24 horas, antecedendo-se o trabalho da pulverização com solução aquosa de 200 ppm de 6-benzilaminopurina (6BA). Esta solução, quando comparada com a testemunha, prolongou a durabilidade comercial em 10 dias.



DOI: https://doi.org/10.14295/rbho.v9i1.161

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema