Relações hídricas de inflorescências cortadas de ave-do-paraíso (Strelitzia reginae Ait).

Mônica M. Campanha, Fernando L. Finger, Paulo R. Cecon, José G. Barbosa

Abstract


A absorção e o transporte de água pelas flores cortadas mantidas em vaso podem ser diminuídos ou interrompidos devido à obstrução do xilema, acarretando murchamento e senescência de pétalas e sépalas. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de cortes a cada dois dias, na base de hastes de inflorescências de ave-do-paraíso sobre o teor relativo de água de brácteas e sépalas, longevidade e número de floretes abertos. Nas hastes não cortadas, observou-se redução de 3% no teor de água da bráctea e 9,4% nas sépalas após 7 dias em vaso à temperatura de 2SOC. O corte periódico da base das hastes manteve estável o teor relativo de água, cerca de 89,1% na bráctea e 93,9% nas sépalas até 9 dias após a colheita em vaso. O corte periódico aumentou em 49% a longevidade pós-colheita da inflorescência e elevou de 1,6 para 2,7 o número de floretes abertos.



DOI: https://doi.org/10.14295/rbho.v3i1.133

ISSN: 2447-536X

 Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

SBFPO - Sociedade Brasileira de Floricultura e Plantas Ornamentais | Cadastre-se na revista | Página Oficial SEER | Ajuda do sistema